Jorge Amaro lança livro em São Luís (MA)


A 14ª edição da Feira do Livro de São Luís (FeliS) teve início na sexta-feira (3/12), na Praça Maria Aragão. Organizada pela Prefeitura de São Luís, por meio das secretarias municipais de Educação (Semed) e Cultura (Secult), a feira ocorrerá até o dia 12 de dezembro.

Esta edição do evento tem como tema: “A liberdade nasce na consciência”, e seu patrono é o poeta ludovicense Nascimento de Morais Filho. Neste ano a feira conta com dezenas de stands de livreiros, de sebos literários e institucionais, além de auditórios, espaço para crianças, de exposição e venda de artesanato e praça de alimentação. A expectativa é que cerca 150 mil pessoas passem pelo local, que vai receber grandes nomes da literatura brasileira, como Fabrício Carpinejar e Martha Medeiros.

O escritor mostardense Jorge Amaro lançou seu livro no evento no dia 04/12, tendo como mediador Carlivan Braga, secretário municipal extraordinário da Pessoa com Deficiência de São Luís.

Para Amaro "este é o terceiro lançamento deste livro, que busca contar a trajetória da política com deficiência no Brasil e suas diferentes perspectivas, abordando o papel dos conselhos, dos órgãos gestores e especialmente, da sociedade civil." A obra já esteve presente nas feiras do livro de Porto Alegre e Tavares!

A gestão da política da pessoa com deficiência no Brasil passou por diferentes modificações, nos últimos anos, em uma disputa entre o campo da assistência social e dos direitos humanos. Números, dados, leis, enfim, o que importa mais? Qual será a Evidence-based que determinará o maior o menor grau de uma política pública para pessoas com deficiência no Brasil? Acreditamos que essa resposta não seja especificamente o objeto dessa obra, mas conhecermos as possibilidades a que podemos recorrer neste labirinto que estamos estudando poderá ajudar nas reflexões. Se, do ponto de vista teórico, é possível defender um estado ideal, onde os direitos dos sujeitos são universalizados, do ponto de vista prático, surgem algumas questões. Qual o limite entre proteger e incluir? É possível universalizar sempre? Talvez o que devamos discutir é uma transição paradigmática, onde podemos aprender com as diferentes experiências vigentes em todo país, sobretudo nos estados, Distrito Federal e municípios, sobretudo nos dias atuais, com o advento da pandemia do novo Coronavírus e de transições de governos que impactam a continuidade das políticas públicas.


Sobre o Autor!

Jorge Amaro de Souza Borges é Doutor em Políticas Públicas (UFRGS), Mestre em Educação (PUCRS), Biólogo (IPA), Especialista em Educação Ambiental (SENAC/RS), Especialista em Audiodescrição (UFJF), Especialista em Gestão Estratégica Pública (Unicamp) e Técnico Agrícola (ETA). Quilombola de Mostardas/RS e com título de cidadão Viamonense. Tem experiência na área de Meio Ambiente, com ênfase em Educação, atuando principalmente nos seguintes temas: educação ambiental, sustentabilidade, cidadania, inclusão social, educação inclusiva, acessibilidade e direitos das pessoas com deficiência. Servidor de carreira da Faders Acessibilidade e Inclusão, atualmente exerce mandato de vereador em Mostardas/RS.


42 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo